As wycinanki de Emilia Piaskowski, arte que inspira!

(Dona Emilia Piaskowski em casa / Foto: Meg Mamede)

(Dona Emilia Piaskowski em casa / Foto: Meg Mamede)

 

Em dezembro de 2015 a Casa da Cultura Polônia Brasil, com sede em Curitiba, PR, fez o pré-lançamento de semijoias, duas lindas peças inspiradas em mandalas produzidas pela artista e artesã curitibana Emília Piaskowski, já homenageada pela instituição com a exposição “Wycinanki e arte popular polonesa” que aconteceu de 13 de fevereiro a 10 de abril de 2015 na Sala do Artista Popular em Curitiba, seguindo depois em itinerância por outras cidades do Paraná. Com design da Dona Prata a simbologia singular do “Galo” ícone da arte popular polonesa e da “Gralha azul” uma clara homenagem ao Paraná, foram os escolhidos para dar vida e representar elementos importantes da cultura polonesa na Polônia e em nosso Estado.

Conhecida por todos como Dona Emília, seu trabalho com a arte popular polonesa se iniciou, como ela mesma afirma: tardiamente, e o que era para ser um passatempo ganhou formas e cores que deram à paranaense de origem polonesa muitos motivos para explorar e destacar no Brasil suas raízes ancestrais.

Mulher, esposa, mãe, amiga e artista, Dona Emília representa com graça e força uma tradição secular que até mesmo em seu país de origem têm sido esquecida, segundo ela “pela falta de tempo dos jovens”.  As wycinanki originalmente produzidas no âmbito doméstico e nos longos dias de inverno comuns na Polônia chegaram ao Brasil pelas mãos dos imigrantes poloneses, em especial no Paraná, Estado que recebeu número representativo de imigrantes oriundos de momentos históricos distintos.

Foi de Apolônia Kozak que Dona Emilia recebeu os primeiros ensinamentos sobre a técnica das wycinanki, para com o passar dos anos desenvolver técnica própria. Em um momento delicado de sua vida foi a arte popular polonesa que lhe trouxe alento e a ajudou a resgatar a alegria de viver.  Mais que o ócio criativo, a produção de peças com as técnicas de pisanki e wycinanki entraram em sua vida para nunca mais sair. Hoje aos 87 anos, Dona Emilia, com uma vivacidade e memória invejável exibe uma história de vida e arte que muitos gostariam de experimentar. Em sua casa, onde ela me recebeu para uma conversa, há muitas obras produzidas por ela e outras resultado de 25 anos do trabalho em parceria com seu saudoso esposo, em homenagem à técnica que pode ser geométrica ou floral, abordar aspectos da natureza ou do trabalho do homem, servir de ornamento ou de presente. Um mimo sempre repleto de cor, delicadeza e muita precisão.

Nossa musa inspiradora conheceu de perto a Polônia, lá esteve em três ocasiões e por motivos diferentes . Em todas suas viagens ela foi guiada pela rica cultura de seus ancestrais, Cultura essa que encontrou terreno fértil na “terra do pinhão”, essa mesma terra que hoje tem no pierog, prato típico da Polônia, assim como nos lambrequins remanescentes em algumas construções e nas wycinanki de Dona Emilia, bons motivos para atrair turistas de todo Brasil e de outras partes do mundo.

Dona Emília me contou com alegria sobre suas três visitas à terra dos seus antepassados, uma delas junto do coral do qual faz parte desde sua fundação, depois para um curso de gastronomia polonesa e por último, para um curso de etnografia polonesa. Momentos inesquecíveis que reverberam em sua técnica e arte na confecção das wycinanki e fazem de seu trabalho algo singular neste moisaco de etnias chamado Brasil.

Se você ficou interessado em saber mais sobre a cultura polonesa fique atento às novidades da Casa da Cultura Polônia Brasil e nos acompanhe através do nosso site e fanpage.

 

(por Meg Mamede para CCPB)